Supersticiosos já começam a contar os dias para comemorar o sexto título mundial.

- junho 16, 2018



O Brasil começa neste domingo, 17, sua caminhada em busca do sexto título mundial. O primeiro adversário é a Suíça, às 15h, na Arena Rostov. Se você ainda não está confiante de que o hexa vem na Rússia, vamos mostrar que existem (bons) motivos para mudar de ideia.

Veja abaixo as coincidências que vão dar uma ajudinha para você reforçar a torcida pela equipe de Tite na Copa do Mundo de 2018.


Os supersticiosos não ficaram tão preocupados com a lesão de Neymar, que fraturou o quinto metatarso do pé direito no final de fevereiro, e logo lembraram que Ronaldo, principal nome do penta, também chegou ao Mundial de 2002 como incógnita após duas sérias cirurgias no joelho.


Ninguém consegue explicar até hoje o que realmente aconteceu com Ronaldo antes da final da Copa do Mundo de 1998. Dentro de campo, a equipe canarinho foi massacrada e perdeu por 3 a 0 para a França.

Em 2014, o Brasil sofreu a derrota mais vexatória de sua história e foi eliminado na semifinal por 7 a 1 pela Alemanha. Será que a redenção vem na Rússia?

Quando o zagueiro José María Giménez subiu para cabecear aos 44 minutos do segundo tempo e dar a vitória para o Uruguai contra o Egito na estreia da Celeste no Mundial da Rússia, não foram apenas nossos vizinhos uruguaios que tiveram motivos parar comemorar. A última vez que a seleção sul-americana tinha vencido a primeira partida de uma Copa do Mundo foi em 1970. Não se tocou? Foi o ano da conquista do tricampeonato.


Nas campanhas dos cinco títulos mundiais, o Brasil sempre disputou uma partida com o segundo uniforme. Na Rússia 2018, a camisa azul será utilizada na segunda partida, contra a Costa Rica. Vale lembrar que a última vez que o Brasil apareceu de azul na fase de grupos foi em 1994, ano do tetra.


A Costa Rica é a segunda adversária do Brasil no Mundial da Rússia. As equipes se enfrentam na segunda rodada do Grupo E, dia 22, às 9h em São Petersburgo. Em 2002, uma das sete vitórias da equipe de Felipão foi justamente contra o rival da América Central. Na ocasião, a Seleção Brasileira fez 5 a 2 na última partida da fase de classificação.


Quando Neymar trocou o Barcelona pelo PSG, teve muito torcedor que torceu o nariz. Porém, se alguém lembrou do Mundial de 2002, logo pensou em Ronaldinho Gaúcho. Onde o craque dentuço jogava? Sim, ele também era estrela da equipe francesa na época do pentacampeonato.

A escolha de um técnico gaúcho costuma render bons frutos à Seleção Brasileira. Luiz Felipe Scolari, o Felipão, venceu uma Libertadores (pelo Palmeiras em 1999) antes de assumir o comando de um desacreditado Brasil e levar o título na Copa de 2002. Agora é a vez de Tite, que ganhou a competição continental com o Corinthians em 2012 e tenta repetir o feito de ser mais um gaúcho campeão do mundo pela Seleção.

A Holanda não participou da Copa do Mundo de 2002, quando a Seleção Brasileira ganhou o pentacampeonato. Em 2014, eles vieram ao Brasil e ainda nos venceram por 3 a 0 na disputa do 3º lugar. Porém, os holandeses não conseguiram a classificação para a Rússia em 2018. Já está sentindo o cheirinho de hexa?

Em 2002, o volante Emerson resolveu brincar de goleiro durante um rachão, acabou se lesionando e perdeu o Mundial na Coreia e no Japão. O camisa 8 seria o capitão de Felipão e acabou sendo substituído por Ricardinho. A faixa na ocasião ficou com Cafu.

Tite é adepto do rodízio de capitães. Porém, Daniel Alves era o homem de confiança do treinador e sempre era escolhido para a função nos jogos mais importantes. Fontes próximas ao técnico garantem que ele seria o capitão em uma hipotética final na Rússia. No entanto, o lateral-direito do PSG lesionou o joelho a uma semana da convocação e ficou fora dos relacionados.



Teve internauta que relembrou o rodízio de campeões para mostrar confiança no hexa. Será que o título vem?

Fonte: band.com.br
Advertisement