Olha o que o treinador teve que fazer para mantê-los com vida.

- julho 20, 2018

Sua família morreu quando ele tinha apenas 10 anos, foi um monge budista, e no dia em que ele e as 12 crianças ficaram presas em uma caverna escura e profunda, ele mostrou que seu coração é maior do que qualquer adversidade, então ele se tornou um herói, deixando seu nome escrito nos livros de história.


Advertisement
Este é Ekapol Chanthawong, o treinador da equipe de futebol juvenil que ficou preso com os 12 menores e, graças a suas ações, tornou-se a chave para o motivo dos meninos não terem morrido.

O resgate desses valentes no ultimo  23 de junho em uma caverna na Tailândia foi um dos eventos mais celebrados do mundo, porque as equipes de resgate conseguiram manter todos vivos.
Água pingando das paredes, comida para uma festa de aniversário e a meditação. Esses três elementos foram fundamentais para sobreviver.
Antes dos mergulhadores os tirarem um a um da caverna inundada de Tham Luang.Eles passaram 9 dias no escuro sem saber que uma grande operação estava ocorrendo do lado de fora para resgatá-los.

Segundo a rede de notícias da BBC, as crianças e seu treinador visitaram o lugar para comemorar um aniversário. Peerapat Sompiangjai completou 17 anos em 23 de junho, o dia em que o grupo ficou preso na gruta.
O resto da equipe se organizou para comprar comida para a celebração, e foi justamente esse alimento que os salvou. Foi relatado que o treinador, Ekapol Chantawong, se recusou a comer para que houvesse mais para as crianças, por isso ele era o mais fraco quando os encontraram.

Para se manterem hidratados, beberam da água que escorria das paredes da caverna.
A hipotermia costuma ser um dos riscos quando você está no subsolo, especialmente quando tudo está inundado.

O chefe das forças especiais da Marinha disse à BBC que a equipe usou pedras para cavar cinco metros mais afundo na caverna "para criar um túnel e mantê-los aquecidos".

E o mais importante
O que eles fizeram para ficar calmo?

Antes de começar a jogar futebol, Ake era um monge budista e ensinava às crianças a meditação para ajudá-las a lidar com o estresse, o que foi exatamente o que ele fez para superar a morte de seus pais.

almirante Yuukongkaew disse que o treinador usou essas técnicas de meditação para acalmar as crianças, mas também para garantir que elas consumissem a "menor quantidade de ar possível" na caverna.
 Quando os socorristas conseguiram chegar à equipe, eles entregaram cartas de seus parentes e receberam suas respostas. Em sua carta, Ake pediu desculpas aos pais por levar as crianças à rede de cavernas, embora muitos tenham dito que não o culpavam.

"Prometo cuidar das crianças da melhor maneira possível", escreveu ele.

Traduzido e adaptado por Curiosidades da Terra Fonte: Vuntu

Advertisement