Baleias jubarte estão formando gigantes e misteriosos grupos, e ninguém sabe explicar o porquê.

- setembro 14, 2018


As baleias jubarte (Megaptera novaeangliae) são conhecidas por serem solitárias. Enquanto tendem a migrar, acasalar e se alimentar em grupos, grande parte de sua existência é marcada pela solidão – ou entre grupos pequenos de até sete indivíduos.

No entanto, de acordo com informações da Science Alert, algo muito estranho está ocorrendo com a espécie. Cientistas já relataram 22 distintos “supergrupos” de 20 a 200 delas, aparecendo em regiões da costa sudoeste da África do Sul nos últimos anos, que desafiam todas as explicações atuais. De acordo com um novo estudo publicado na revista PLoS One, até o momento os casos de supergrupos foram testemunhados por cruzeiros de pesquisas realizados entre 2011, 2014 e 2015, bem como uma série de observações públicas feitas a partir de aeronaves que sobrevoavam a região sudoeste do Cabo.

Os pesquisadores estão considerando o comportamento como algo “novo e intenso”. “Nunca vi nada assim antes”, disse o pesquisador Ken Findlay, da Universidade de Tecnologia da Península do Cabo, na África do Sul, ao New Scientist. “Nós acreditamos que o fenômeno de supergrupo é um comportamento relativamente recente exibido por essas baleias”. “Essas agregações densas têm sido relatadas em outros lugares em latitudes baixas ou médias durante as migrações das baleias jubarte para o Hemisfério Sul”, continuou. “No entanto, agregações de baleias desse tamanho raramente foram relatadas na literatura, apenas com de 10 a 20 ou menos”.

Ainda, os pesquisadores argumentam que não é apenas o tamanho do grupo o fato estranho, a localização deles também não faz muito sentido. Enquanto se reúnem perto da África do Sul no verão, as baleias jubarte estão optando por reforçar sua presença em números a milhares de quilômetros de suas habituais áreas de alimentação, que costumavam ser a região polar do sul da Antártica. Então, uma vez que montam o supergrupo, migram para o norte em direção a águas subtropicais e tropicais costeira durante o inverno. No entanto, os cientistas ainda não sabem explicar o porquê dessa mudança repentina de comportamento.

Eles afirmam que, embora ainda sejam necessárias coletas de maiores evidências, a nova estratégia de alimentação das baleias pode estar ocorrendo devido às mudanças na disponibilidade de presas, que por sua vez estão sendo afetadas pelas mudanças nas condições oceânicas. Ainda, há a hipótese de que isso esteja ocorrendo devido ao aumento dos números de baleias jubarte. Embora estejamos acostumados a ouvir sobre espécies em declínio, as baleias jubarte do Hemisfério Sul estão, na verdade, indo contra essa tendência. Dados sugerem que a população dessa espécie tem aumentado de forma saudável, desde que a baleação (caça de baleias) foi proibida na década de 1960.

Logo, Findlay também considera a hipótese de que este rápido aumento possa ser em razão da mudança na disponibilidade das presas, forçando as baleias a mudarem suas estratégias de caça. “Apesar da causa desconhecida desse comportamento recente, postulamos que a área se desenvolveu ou está se desenvolvendo em um importante terreno sazonal de alimentação de baleias jubarte, o que atrai imigração significativa para a região no final da primavera austral e início do verão”, concluiu a equipe.

Fonte: Jornalciencia
Advertisement