Grande Falha de San Andreas dá sinais de catástrofe iminente.

- setembro 14, 2018



A mais famosa falha geológica da Califórnia, a Falha de San Andreas, continua a acumular energia.Caso venha acontecer um terremoto na região, será provável que a área afetada seja maior do que em todos os outros abalos sísmicos na região.

Em 1906, um temor de 7,8 graus na escala Richter matou mais de 3.000 pessoas em São Francisco. Este terremoto foi um dos mais fortes do século 20. Mesmo que ele tenha liberado bastante energia, aconteceu na parte norte da linha, onde está localizada a falha, e a seção sul não havia passado por nada assim desde então. A conferência Nacional de Terremotos nos Estados Unidos abordou a questão e os pesquisadores alertaram para a necessidade de se investir em prevenção no local a curto prazo.

O movimento da Placa Tectônica do Pacífico criou uma tensão que a afasta da Placa Norte-americana, sendo aliviada por pequenos abalos sísmicos, mas isso não acontece no caso da Falha de San Andreas, que tem 1.300 quilômetros e acumula energia há mais de 300 anos. “As nascentes do sistema de placas ficaram com uma ferida muito, muito fechada. E o sul da falha, em particular, parece estar preso, carregado e pronto para dar o gatilho”, disse Thomas Jordan, diretor do Centro de Terremotos da Califórnia do Sul.

O maior terremoto registrado na região aconteceu em 1857 e atingiu 7,9 graus na escala Richter. Segundo Thomas Jordan a região está tranquila desde então, mas é inevitável prever um terremoto. Quanto mais preparados estiverem para um terremoto de 8 graus na escala Richter, melhor. O U.S. Geological Survey, instituto de investigação geológica norte-americano publicou um relatório em 2008 que previa um terremoto de 7,8 graus na escala Richter na parte sul da Falha de San Andreas e que poderia causar cerca 1.800 mortes além de grandes prejuízos para o Estado.

“Infelizmente, neste país, as coisas só são melhoradas depois de um desastre. Um sistema de alerta precoce seria muito útil. Os nossos sistemas de alerta de sismo deveriam ser melhores. Não temos sensores nos lugares que são necessários. Não temos uma infraestrutura robusta.”, disse Peggy Hellweg à rede de televisão BBC.

Na ocasião, o terremoto de 1857 durou entre 1 e 3 minutos, e foi tão forte que as rochas esfarelaram. Uma nova simulação prevê um terremoto de dois minutos com grande impacto na baía de Los Angeles. A cidade, por sua vez, implantou novas leis para construção de edifícios: 15 mil novos prédios são projetados para resistir a um possível terremoto.

As chances de um forte terremoto na área são tão grandes que o assunto até virou filme:


Fonte: Jornalciencia
Advertisement