Aos poucos, estou aprendendo que não devo reagir a tudo e todos que me fazem mal.

- janeiro 03, 2019



Aos poucos, eu estou aprendendo que não é minha obrigação revidar as coisas ou pessoas que me magoam.

Não tenho que machucar aquelas pessoas que me machucam e nem “revidar na mesma moeda” os atos de egoísmo, porque não é assim que se constrói uma vida feliz.

Lentamente, estou entendendo que maturidade não é forçar a si mesmo a conviver com pessoas tóxicas, mas sim afastar-se e focar na própria felicidade.

Estou aprendendo aos poucos que é necessário o mesmo esforço para reagir de forma negativa ou positiva às situações da vida, mas que a última escolha não me desvia do caminho de viver uma vida iluminada e fiel ao meu verdadeiro eu.

Estou aprendendo que nem todo mundo vai me tratar exatamente como eu desejo, que a tentativa de vencer e superar todos ao meu redor só me torna uma pessoa solitária e cheia de vazios.

É difícil, mas aos poucos estou aprendendo que a atitude de não reagir àquilo que me fere não significa que estou resignada a minha situação atual, mas que escolho me posicionar acima dela, pois sei que a vida é feita de fases.

Por isso, escolho aprender com meu presente e me tornar uma pessoa melhor. Para isso, estou me afastando de pessoas negativas e tóxicas, que fazem com que me sinta insuficiente.

Lentamente, estou entendendo que quando nós reagimos duramente àquilo que nos magoa, estamos passando o poder sobre nossas emoções para a outra pessoa, porque ela verá em nosso olhar que somos inseguros com nós mesmos.

Aqui está uma verdade que muitos se esquecem: nunca poderemos controlar as atitudes de um outro alguém, mas a forma como reagimos a esses comportamentos está sempre sob nosso controle.
Todas as decepções e tristezas da vida têm a função de nos ensinar que o amor-próprio deve vir em primeiro lugar, pois é ele que nos defende de todos os que tentam nos derrubar e abalar nossa confiança.

Principalmente, estou aos poucos aprendendo que reagir não mudará a outra pessoa, não a fará refletir sobre suas ações e nem repentinamente mudar suas atitudes em relação a mim. A reação, na verdade, pode ter o efeito oposto, alimentar ainda mais o espírito de provocação, pois o outro verá que me afeto facilmente. Por esse motivo, é muito melhor apenas deixar a vida seguir, centrando-se no que acontece em seu interior e capacitando-se diariamente para uma vida iluminada, pois, eventualmente, colheremos os frutos daquilo que plantamos, para o bem ou para o mal.

Fonte: osegredo / Luiza Fletcher

Advertisement