Devoção eterna: Soldado se recusa a sair de perto de seu cachorrinho doente até o seu último suspiro.

- maio 05, 2019


Os cachorros são de verdade o melhor amigo do homem. Os humanos passam mais de uma década ao lado de seus cães, em média, e tem como retorno uma enorme fonte de felicidade e apoio emocional. É por isso que ficamos devastados quando perdemos, por qualquer que seja o motivo, um adorável bichinho de estimação.

Ninguém sabe disso melhor que os homens e mulheres do exército que cuidam dos cães. Esses militares passam muitas vezes a sua carreira inteira trabalhando com os cachorros, e podem se apegar de uma maneira incrível. Assim como suas contrapartes humanas, esses militares caninos arriscam as suas vidas em ambientes hostis e perigosos simplesmente para proteger os humanos. Se o cachorro chagar até a idade de aposentadoria, ele vai geralmente ser adotado pelo militar que cuidou dele. E isso faz todo o sentido, pois ambos cultivaram um relacionamento que vai garantir que o animal tenha todos os cuidados necessários para o resto de sua vida.

Foi isso o que aconteceu com o Pastor Alemão Bodza, um cão militar das forças aéreas dos EUA que esteve em serviço desde o ano de. Cuidado por seu militar humano, Bdza farejava bombas no Quirguistão, Iraque, e Kwait, ajudando assim seus companheiros e colegas de trabalho a sobreviver em segurança.

Em 2012, Bodza foi colocado aos cuidados de Kyle Smith, e os dois rapidamente se conectaram de maneira maravilhosa, e juntos, trabalharam incansavelmente. Kyle alega que Bodza era um dos farejadores de bomba mais talentosos que ele já viu em toda a sua carreira, e Bodza certamente tinha uma ótima visão sobre Kyle também.

Dois anos mais tarde, Bodza atingiu a idade de aposentadoria e Kyle rapidamente se ofereceu para adotá-lo. Ele foi aprovado e logo os dois se tornaram amigos inseparáveis. Eles brincavam juntos, dormiam juntos, e saiam muito para passear.

Porém Bodza estava ficando velhinho, e foi diagnosticado com uma doença que eventualmente lhe causaria muita dor. Ele estava com problemas para caminhar, e até mesmo ficar de pé já estava começando a ser um problema para ele. Foi então que Kyle, sem conseguir ver seu amigo sofrendo tanto, decidiu que o melhor a se fazer seria optar pelo processo de eutanásia.

Porém, Kyle não precisava fazer isso sozinho. Outros companheiros do exército se reuniram no escritório do veterinário e colocaram uma bandeira sobre o corpo do cachorro para fazer uma respeitosa despedida militar.

Embora Bodza não esteja mais entre nós, sua memória e legado nas forças armadas serão lembrados para sempre por aqueles que ele protegeu, assim como por seu melhor amigo, Kyle.

Fonte: apost / Redação
Advertisement