Mais de 2000 profissionais da saúde contraíram coronavírus na Itália.

- 8:34 AM


Mais de dois mil médicos, enfermeiros e demais profissionais de saúde contraíram o SARS-CoV-2 na Itália, segundo informações da Ansa Brasil.

O número representa cerca de 8% do total dos casos, um dado alarmante que coloca em mais dificuldades ainda as estrutura sanitárias do país europeu. Chegou-se ao ponto de em apenas um dia 133 pessoas morrerem.

Em Bergamo, na Lombardia, principal região afetada pelo coronavírus, os médicos do maior hospital da cidade colocaram até sete pacientes por dia em ventilação mecânica. Os profissionais descansam, em média, um dia a cada duas semanas. Apenas nessa província, mais de 50 médicos já foram infectados, segundo a BBC News Brasil.

A Itália tem mais de 26 mil casos confirmados do novo coronavírus e mais de 2.500 mortes registradas (345 a mais que segunda-feira). Apenas 2.335 pessoas se recuperaram da doença, enquanto outras 1.372 estão internadas em unidades de terapia intensiva.

O sistema de saúde italiano entrou em colapso com tanta demanda ao mesmo tempo em diversas cidades. Os profissionais de saúde que tinham férias marcadas foram impedidos de gozar do benefício e aposentados estão sendo chamados para ajudar no desafio de salvar vidas da epidemia.

O médico Giovanni Rezza, diretor do departamento de doenças infectivas do Instituto Superior de Saúde, órgão subordinado ao Ministério da Saúde e principal centro de pesquisa, controle e consultoria técnico-científica da Itália, disse à BBC que os dias na Itália parecem intermináveis.

 O médico destaca que, no início, o Covid-19 parecia tratar-se de mais casos de gripes, comuns em janeiro e fevereiro, época do inverno europeu.

Mas não apenas o sistema de saúde colapsou. O prefeito de Bergamo, Giorgio Gori, em entrevista à BBC disse que foi preciso abrir o necrotério e a igreja do cemitério para abrigar a quantidade de cadáveres acumulada. Gori entrou em contato com outras cidades para que emprestassem seus fornos crematórios, porque os de Bergamo são insuficientes para atender tamanha demanda.

Como foi difícil o diagnóstico no início, a Itália está vivendo essa situação caótica agora, visto que, à época, não foram tomadas as medidas necessárias para evitar a transmissão do novo vírus.

Via: greenme
Advertisement