‘Geração digital’: pela primeira vez os filhos têm QI inferior ao dos pais.

- 2:22 PM


 

O neurocientista Michel Desmurget, diretor de pesquisa do Instituto Nacional de Saúde da França , afirmou em seu livro intitulado “ A fábrica de cretinos digitais “ Como os dispositivos tecnológicos afetam seriamente o desenvolvimento de crianças e jovens.


“ Simplesmente não há desculpa para o que estamos fazendo aos nossos filhos e como colocamos em risco seu futuro e desenvolvimento ”, disse o renomado especialista na área Desmurget, durante entrevista à rede BBC .



Capa do livro “Die Digitale Kretinfabrik”. (Foto: Amazon)


Seu livro é atualmente um dos mais vendidos na França . No meio da entrevista, Desmurget respondeu à pergunta se a juventude de hoje é a primeira geração da história com um QI mais baixo do que a anterior:


“Sim. O QI é medido com um teste padrão. No entanto, não é um teste “congelado”, mas é frequentemente revisado. (…) E pesquisadores em muitas partes do mundo observaram que o QI está mudando de geração em geração. A geração aumentou, conhecido como “Efeito Flynn”. “.


O neurocientista deixou claro em sua história que o coeficiente é fortemente influenciado por fatores como sistema de saúde, alimentação e escola. No entanto, se “ Em países onde os fatores socioeconômicos têm sido relativamente estáveis ​​há décadas, o ‘efeito Flynn’ tem diminuído gradualmente. “


“Nesses países, os nativos digitais são os primeiros filhos a ter um QI inferior ao dos pais. Esta tendência foi documentada na Noruega, Dinamarca, Finlândia, Holanda, França, etc. ” ele adicionou.


Desmurget , que trabalhou em centros de pesquisa de prestígio como a Universidade da Califórnia ou o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), disse que vários estudos mostraram que, ao usar televisão ou videogames, o QI e o desenvolvimento cognitivo diminuem ”.


O especialista afirmou ainda que as causas desta situação são claramente identificadas: “ Diminuição da qualidade e quantidade das interações familiares, diminuição do tempo despendido em outras atividades enriquecedoras (trabalhos de casa, música, arte, leitura, etc.), interrupção do sono , superestimulação da atenção, subestimulação intelectual e um estilo de vida excessivamente sedentário “” .


Em outro ponto da entrevista, Desmurget mencionou que “ o tempo de triagem recreativa foi observado para atrasar a maturação anatômica e funcional do cérebro dentro de várias redes cognitivas relacionadas à linguagem e atenção ”.



Desmurget , por fim, afirma que as crianças de 2 anos passam em frente às telas “ quase três horas por dia ”, As crianças de oito anos “Cerca de cinco horas” e os jovens “Mais de sete horas”. É por esse motivo que as crianças são incentivadas a participar dos danos causados ​​pelas telas.


“ Elas devem ser informadas de que as telas recreativas prejudicam o cérebro, interferem no sono, interferem na aquisição da linguagem, diminuem o desempenho escolar, prejudicam a concentração, aumentam o risco de obesidade, etc. ”.

Via:Pensar Contemporâneo

Advertisement