Por trás de toda criança “difícil”, há uma emoção que ela não sabe expressar!

- 3:23 PM


 

Por trás de toda criança “difícil”, há uma emoção que não sabe expressar


por Sara Espejo


Éramos todos crianças, mas ninguém se lembra …

Entre as coisas envolvidas em ser criança está o aprendizado constante de expressar emoções. Quanto mais jovem a criança, menos controle ela tem sobre seu sistema emocional.

Muitas vezes ouvimos as pessoas dizerem que uma criança é difícil, que não se concentra, que responde mal, que é mimada, sem a intenção de ver o que está por trás de cada reação dessa criança que está tentando se adaptar a um mundo que não é necessariamente gentil, paciente e compreensivo o suficiente com seu processo de aprendizado.


Então, é necessário apoiar as crianças em cada uma das etapas e acompanhá-las para que elas aprendam a identificar suas emoções e praticar a melhor maneira de canalizá-las.


Com a idade, as coisas devem melhorar

Se não é estranho ver homens e mulheres, explodindo de raiva, explodindo em lágrimas ou como um furacão destruindo tudo em uma sala cheia de hormônios que eles não podem controlar a qualquer momento, o que podemos esperar de um pequeno que provavelmente se desenvolveu em um ambiente que não foi capaz de fornecer contenção suficiente para seus sentimentos e reações?


É fácil julgar e, muitas vezes, repressão, punição, terapia ou até abuso físico são os meios adotados pelos pais que, talvez devido à inexperiência, não entendem que o que a criança exige é baseado em amor e atenção.

QUANTO MAIS REPRESSIVOS DIANTE DOS COMPORTAMENTOS QUE CONSIDERAMOS INADEQUADOS EM UMA CRIANÇA, MAIS PROBLEMAS ESTAMOS GERANDO.

É necessário ser o mais empático possível com as pessoas pequenas que estão no meio da criação de modelos, que estão aprendendo a usar ferramentas e que precisam de um guia do paciente para ajudá-las a entender e se localizar.


Se uma criança faz birra, é frequente uma repreensão que punam a criança, que a agridam; de fato, se for em público, aqueles que testemunham a cena esperam que a criança, pelo menos, receba atenção por seus atos. Sem entender que a criança está tendo uma explosão emocional, onde a frustração que ela não sabe como lidar tomou conta dela.


O apoio acompanhante e amoroso promove a segurança

Vamos aprender a acompanhar nossos filhos nos momentos que mais precisam de nós, sem nos libertarmos da pressão dos outros, eles são nossos filhos, não os de mais ninguém.


Vamos tentar tratá-los com amor e fazê-los entender que o caminho da explosão emocional não os levará longe, tratando-os com respeito, fortalece sua segurança e auto-estima.

Não se trata de agradá-los, nem de cair em um jogo de manipulação, que também é aprendido desde tenra idade, é de acompanhar a criança a sair da birra da maneira mais amorosa e respeitosa possível, para depois adaptar um discurso a sua idade, para explicar o que aconteceu, deixando claro que entendemos sua raiva e que existem outras maneiras de expressar qualquer emoção.


Uma criança que é chamada de difícil, geralmente corresponde a uma criança que não se sente amada, cuidada ou importante o suficiente.


Mesmo quando consideramos que não é assim.

Uma coisa é o que damos como pais, como cuidadores e outra é o que a criança percebe.

VAMOS APRENDER A OUVIR NOSSOS FILHOS, ALÉM DO QUE ELES DIZEM, VAMOS APRENDER A LÊ-LOS.

A frustração é válida, assim como procurar ajuda, mas nada trará mais benefícios do que amor e empatia.

Lembremos que estamos todos em constante aprendizado e muito mais aqueles pequeninos que podem ter um turbilhão emocional por dentro e que não têm a mais remota ideia de como se expressar.

Vamos nos esforçar para atender às necessidades dos mais pequenos, desde o afeto, entendendo que cada criança é particular e cada uma terá uma maneira de se sentir e se expressar, de que devemos fazer todo o possível para entender e orientar, em vez de rotular, julgar e até traumatizar.

Vamos!





Via: SEU AMIGO GURU. Tradução e adaptação Rincon del Tibet.


Advertisement